Traje contra vírus permite interação entre pessoas (e até fazer sexo)

A roupa foi projetada para funcionar como um equipamento de segurança em épocas de pandemia sem precisar que as pessoas fiquem a dois metros de distância umas das outras.

Fonte: REVISTA GALILEU https://revistagalileu.globo.com/


O Sars-Cov-2, vírus que causa a Covid-19, é transmitido a partir gotículas expelidas por meio da fala, do espirro, da tosse e até mesmo do toque. Enquanto a ciência não encontra uma vacina ou medicamento, o Production Club, um estúdio criativo de Los Angeles, nos Estados Unidos, criou o Micrashell: um equipamento de proteção individual que permite interação entre as pessoas em tempos de pandemia.


A roupa foi desenhada para produzir experiências imersivas nas indústrias de música, tecnologia, artes e jogos, que geralmente reúnem um grande número de pessoas no mesmo lugar — prática contraindicada para diminuir o contágio da doença. Além de proteger os usuários de vírus, ela promete ser fácil e divertida de usar.


A empresa afirma, em nota, que "o traje ofecece alívio para indústrias dependentes de interação social, ele pretende ser uma solução pragmática, projetada para essa situação e outras que estão por vir". Segundo Corey Johnson, chefe de projetos especiais do Production Club, os eventos são essenciais para a experiência humana e criam as memórias que definem nossas vidas. "Estamos entusiasmados com o desafio de criar soluções inovadoras para promover o entretenimento ao vivo de qualidade e a conexão humana”, conta.


A vestimenta cobre apenas o terço superior do corpo, é feita de tecido resistente a cortes, possui um capacete com filtro de ar e um visor transparente. Também há um sistema de comunicação por voz, câmera e um aplicativo para smartphones. O design simples permite que o usuário use o banheiro com facilidade e — pasme! — tenha relações sexuais sem precisar tirar a roupa.


Ao longo do traje há luzes que podem, inclusive, exibir mensagens. “Por exemplo, um efeito de arco-íris pode expressar alegria, enquanto uma luz vermelha pode dizer 'ocupado'”, afirmam os desenvolverores. Consumir bebidas e cigarro eletrónico também é possível graças a uma câmara projetada no capacete.


Apesar de ainda ser apenas um conceito e não ter sido patenteado, o projeto foi pensado com tecnologias já disponíveis. “Sabendo que esse é um assunto que depende do tempo, não o carregamos com recursos de ficção científica que ainda não existem e que seriam obstáculos”, afirmou o chefe de invenção Miguel Risueño ao portal de notícias Fast Company.


Fonte: REVISTA GALILEUhttps://revistagalileu.globo.com/


PROCURE SEMPRE UM ESPECIALISTA DA SAÚDE E BEM-ESTAR DO CASAL

0 visualização